• Giovanna Villela

Você já ouviu falar em inteligência de mercado?



Você já ouviu falar em inteligência de mercado? Esta prática, a cada dia mais difundida nos processos das grandes empresas, ainda pode causar estranheza para quem está começando a estudá-la e implementá-la no seu dia-a-dia empresarial.


Mas afinal, o que é isso? A inteligência de mercado consiste em uma estratégia organizacional que busca entender o ambiente no qual a organização está envolta, coletando e analisando dados para apoiar as tomadas de decisão.


Desse modo, o chamado ciclo de inteligência auxilia a:


• entender como o produto é visto pelo público-alvo; • conhecer melhor o consumidor, a concorrência e o próprio segmento de mercado; • produzir opções e recomendações para futuras ações da companhia.


Assim, a inteligência é importante desde a quantificação de metas empresariais - buscando respostas para perguntas como "em quantos % consigo aumentar minha rentabilidade num determinado período?" -, até a mitigação de riscos, captando os sinais emitidos pelos stakeholders, bem como pelo ambiemte político, econômico, sociocultural, tecnológico, ecológico e legislativo.


E como a inteligência é produzida?

A produção de inteligência funciona de acordo com o seguinte ciclo: planejamento, coleta e tratamento de informações, análise, disseminação e, por fim, medição de resultados.

Neste sentido, o Planejamento consiste em identificar as necessidades da inteligência de acordo com o seu plano estratégico para o período, isto é: "o que já sabemos e o que precisamos, de fato, saber? por quais motivos?".


Traçado este perfil, o próximo passo é a Coleta e Tratamento de dados.

Aqui, possuímos dois tipos de informações, sendo elas:

• informações primárias: coletadas do zero. É neste ponto que as chamadas pesquisas de mercado se inserem no universo da inteligência. • informações secundárias: já disponíveis ao público, graças à serviços e institutos de levantamento de dados.

Uma vez coletadas, tais informações serão estruturadas e protegidas com o uso de ferramentas tecnológicas, e, em seguida, analisadas por equipes multidisciplinares num processo colaborativo, o qual possibilita as melhores conclusões possíveis. É por meio dessa análise que meras informações se tornarão inteligência e servirão de instrumento para as tomadas de decisão, gerando opções e recomendações para o direcionamento do negócio.,,


Produzida a inteligência, a etapa de disseminação garante que as informações analisadas serão, de fato, utilizadas no dia-a-dia da empresa. Nesta etapa, as ferramentas de design e visual thinking possuem papel fundamental, ao sintetizar as informações e torná-las visuais, otimizando o tempo gasto em sua leitura. Por fim, a mensuração de resultados consiste em um feedback, produzido ao final do período traçado, de modo a identificar possíveis falhas e melhorar o processo, além de checar se foram cumpridas as metas quantificadas.


Para ilustrar, suponhamos que uma empresa no ramo de whisky busque expandir suas vendas em 15% até o final de um dado período. Quais serão as ações necessárias para alcançar esta meta? Se, inicialmente, chegarmos a conclusão que uma das necessidades é obter um bom conhecimento sobre potenciais consumidores, então é a partir deste pré-requisito que seguiremos para a etapa da coleta, analisando: quais são, precisamente, os dados que precisamos saber? Alguns destes podem ser:


Quais as ocasiões em que as pessoas consomem whisky em determinado estado?

Em quais estados o consumo é mais forte?

Qual o poder aquisitivo das pessoas que consomem whisky, em uma determinada região do país?

Desse modo, a inteligência poderá obter as respostas precisas para as questões essenciais e, assim, analisá-las, de modo a enxergar as opções possíveis e fornecer uma recomendação para a ação.


É por este motivo que esta prática cresce a cada dia mais nas organizações: ela mitiga os riscos e apoia as tomadas de decisão após uma análise profunda dos dados coletados, para que, assim, as metas estipuladas possam ser alcançadas!



Quer saber mais sobre a EPPEN JR Consultoria? Confira agora nossos artigos "O que é uma Empresa Júnior" e "Por que contratar uma Empresa Júnior?" e nos acompanhe nas redes!

EPPEN JR Consultoria UNIFESP Osasco


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo